Entrevista com o casal R & R de Porto Alegre


Perguntas para o casal

CMC -  Quem conheceu a castidade masculina primeiro para apresentar ao outro?

Casal R & R - Foi o escravo quem apresentou para a Dama.

Foto do escravo R, enviada pela Rainha R.
(Ele está usando o colar dela)



CMC -  Como foi esse primeiro contato com a novidade?

Casal R & R - o escravo tinha grande fetiche em ser trancado em um cinto de castidade. Em princípio, a Dama achou estranho, pois nunca havia sequer pensado que tais coisas existiam. Após algum tempo, foram conversando sobre o assunto e a Dama resolveu conhecer a novidade.

CMC - Há quanto tempo vocês praticam a castidade masculina? (Sem considerar a chegada do cinto de castidade, pergunto quando no coração dos dois, a castidade dele começou?) E faz quanto tempo que o cadeado do primeiro cinto de castidade foi trancado?


Casal R & R - A cerca de dois (2015). O primeiro cadeado foi trancado em Julho 2016. De lá pra cá, quase não foi mais aberto.


CMC -  Sempre houve essa predominância feminina na relação, ou começou essa divisão de poder junto com a prática da castidade?


Casal R & R - Começou junto com a prática da castidade.


CMC -  Vocês já praticavam algum fetiche de Dominação Feminina antes da castidade masculina?


Casal R & R - Pode-se dizer que a Dama foi conhecer essas práticas logo quando começaram a namorar. Ele sempre gostou de Bondage.


CMC - E hoje? Praticam algum outro fetiche junto com a CM (inversão, podolatria, BDSM, etc.) ou só a Castidade dele isolada? Caso não pratiquem, têm algum em vista de experimentar no futuro?


Casal R & R - A Dama exige que o escravo esteja sempre de calcinha. Ela acha que castidade masculina deve vir sempre com algum domínio e manter o escravo sempre de calcinha faz parte disso. Ela gosta também que ele use calçado feminino, como tamanco, saltos e chinelos.

Em casa, ele está sempre com algum salto. A Dama gosta de combinar roupas masculinas com algum item feminino. Na cama, ele só está autorizado a dormir de calcinha, soutien, camiseta ou camisola.

Foto real do escravo R. enviada pela Dama R.




Perguntas para a Dama R.



CMC -  Como é o regime de castidade dele? Ele usa o tempo todo? Passa algum período sem usar? Qual normalmente é o intervalo entre uma soltura e outra?

Usa o tempo todo 24/7, não existe período sem usar, não existe intervalo de soltura, somente para higienizar ou depilar. Quando eu quero transar com ele, libero para o sexo e logo recoloco o cinto novamente.

CMC - Toda vez que o cinto de castidade é aberto, a Dama necessariamente o faz para permitir o orgasmo do marido, ou também acontece de abrir só para provocar mais o tesão, e em seguida, tranca de novo no cinto sem tê-lo deixado gozar?

É aberto somente para minha necessidade, para que eu possa transar com ele, o orgasmo dele é uma consequência, mas não é essa a intenção. Gosto do sexo com ele, não pretendo abolir a prática entre a gente.

CMC - Na pergunta 7, a Dama respondeu que o regime de castidade dele é 24/7, mas que solta ele quando a Dama quer. A Dama considera isso como Castidade Permanente, ou só seria permanente, se ele nunca fosse solto?

Considero sim, como permanente. A palavra 'permanente' diz que é constante, frequente, continuado, pra mim na prática da castidade ela é tudo isso. Como já foi respondido antes, ele não tem intervalos de soltura.

CMC - Ele chega a pedir ou implorar para ser solto? Como a Dama administra as solturas dele: são aleatórias (quando dá na telha) ou segue algum calendário?

Sempre implora para ser solto, e eu amo o ver implorar para ser solto.
A soltura é aleatória, como disse antes, para minha necessidade, quando estou com saudades do pintinho dele.

CMC - Se ele pisa na bola em algum quesito comportamental, rola uns dias a mais preso no cinto, como castigo?

Como não existe soltura, não existe castigo, mas falo pra ele, hoje eu ia te soltar, mas como pisou na bola só na próxima semana.

CMC - Qual foi a mudança mais nítida, no sexo com seu namorado, depois que o regime de castidade começou?

Quando transamos ele fica um tempo mais prolongado de ereção.

CMC - E fora da cama? Qual foi, ou quais foram às mudanças positivas na vida cotidiana depois que a gaiolinha foi instalada? Houve alguma desvantagem ou mudança não tão positiva?

Nosso namoro começou quase junto com a castidade, podemos dizer que foi junto, o intervalo foi muito pequeno, como já sabia que ele gostava logo foi inserido com o namoro. É um namorado atencioso, carinhoso, preocupado, MARAVILHOSO. Mudança positiva foi que ele começou a me prestar contas de onde foi e onde vai, sempre.
Já me disse que o cinto é incomodo, mas faz por amor a mim.
Desvantagem? Não consigo ver desvantagem.

CMC - O que é mais prazeroso do ponto de vista psicológico, na questão de manter seu namorado preso em um cinto de castidade?

Controle, posse, domínio. AMO saber a condição dele em reuniões.

CMC - Uma coisa que te anima a continuar mantendo ele preso em um cinto de castidade:

Quando ele implora para ser solto, não sei explicar com palavras, mas é sensacional, dá muito tesão. Ah! E sem contar o controle que tenho sobre ele. Outra coisa que coloquei como um combo, castidade e calcinha, AMOOO, ver ele de calcinha. Ai que delícia.
Estávamos conversando outro dia sobre o cinto, na verdade sempre falamos, mas revelei a ele que sem a castidade talvez não estivesse juntos. E olha que não fazia ideia da pratica da castidade.

CMC - Uma coisa que te desanima a continuar a prática da castidade:

NENHUMA.

CMC - O que a Dama acha do blog CMC?

Acho sensacional, aprendi muitas coisas com o blog.


Perguntas para o escravo R.


CMC - Quanto tempo demorou entre você descobrir o fetiche e revelar de uma vez por todas para a sua Dama?

Escravo R. - Sempre fui adepto a pratica de Bondage. Muitas vezes de Selfbondage. Em meados de 2015, eu estava praticando e me ocorreu que seria interessante estar com algo que impedisse minha ereção e, de forma alguma, permitisse que eu gozasse.
Eu não conhecia ainda a castidade, a castidade masculina e sequer a gama de cintos de castidade que existem no mercado. Então fui procurar na internet e descobri o site A Masmorra que tinha uma variedade boa de cintos para compra. Gostei muito do CB-6000 S, pois era pequeno e o mais comprado no site. Acabei comprando esse.
Nessa mesma época, conheci minha Dama através da internet. Eu entrei com um nick chamado “HomemDeCintoDeCastidade”. Eu realmente estava já usando meu cinto de castidade. Em princípio não ficava muito tempo com ele. Uns dois ou três dias, depois tirava. Depois recolocava. Ficava neste ciclo.
Bem, como minha Dama já sabia que eu usava cinto de castidade, quando nos conhecemos pessoalmente, ela já esperava que eu estivesse casto.

CMC - Como foi o processo para a revelação? Foi impulsivo, ou bem planejado?

Escravo R. - Foi bem planejado.

CMC - Como se sentiu na hora de revelar à ela? Nervosismo? Calma? Sentiu tesão em falar?

Escravo R. - Revelei a ela durante o bate-papo. Eu estava com muito tesão. Queria saber o que ela sentia e, principalmente, se sentia tesão em saber que eu estava naquele estado. Eu estava nervoso também.

CMC - Como se sentiu quando ela pela primeira vez decidiu experimentar/comprar o cinto de castidade?

Escravo R. - Quando decidimos realmente firmar o namoro, a primeira coisa que ela fez foi ficar com as chaves. Ela encara a minha castidade muito, mas muito a sério. Para ela é como um compromisso. Me senti muito nervoso e com muito tesão, pois nunca na vida passei tanto tempo casto. E pelo jeito vou passar muito tempo casto.

CMC - Descreve para os homens que ainda não tiveram o privilégio de estarem presos em castidade, como é a sensação de ser controlado sexualmente dessa forma?

Escravo R. - Estar preso em castidade é quase como possuir uma religião. Tem-se de estar focado e encarar com seriedade, pois vai haver dias que estamos cheio de tesão e não temos como nos desvencilhar do cinto de castidade. Ainda mais se a Dama mora em casa separada.
A sensação é maravilhosa. Sentir-se dependente de alguém para ter ou não orgasmo é algo fantástico. Para nós, homens, estar preso em castidade, significa doar-se inteiramente para a companheira. Entrega total.

CMC - Houve alguma mudança em como você passou a enxergar sua Dama depois de perder o controle sobre seus próprios orgasmos para ela?

Escravo R. - Completamente. Me sinto mais carinhoso, mais dependente, com vontade sempre de me entregar mais e mais.

CMC - Você gostaria que ela te deixasse solto com mais frequência? Que houvesse uns dias no mês em que você passasse livre?

Escravo R. - Ela aboliu totalmente essa possibilidade. Estou sempre preso. Só sou solto quando ela deseja ser penetrada. Claro que já notei que ela prefere transar comigo estando preso. É uma preferência dela. E sempre imploro para ser solto, mas isso ocorre muito pouco.
Ela me solta algumas vezes para fazer a higiene e me depilar. Ela detesta pelos. Até sugeriu que eu me depilasse todo. Literalmente todo. Pernas e tudo. Mas ainda não tive coragem.
Já me acostumei com minha condição de homem casto e não pretendo ser solto. Quero estar sempre como minha Dama desejar me soltar ou me manter preso cabe a ela decidir.

CMC - Você considera que melhorou em algum aspecto da sua vida, como homem, como pessoa, depois que sua Dama passou a controlar seus orgasmos?

Escravo R. - Posso dizer que estou mais calmo e mais submisso.
Não me irrito mais com tanta facilidade.

CMC - Uma coisa que te anima a continuar mantendo ele preso em um cinto de castidade:

Escravo R. - Controle. Posse. Tesão. Domínio.

CMC - Uma coisa que te desanima a continuar a prática da castidade:

Escravo R. - Nada desanima. A castidade só trouxe benefícios para nosso relacionamento.

CMC - O que acha do blog CMC?

Escravo R. - Ótimo veículo de esclarecimento sobre a Castidade Masculina.
Excelentes matérias sobre o assunto, com pitadas de Fantasias, histórias reais e bom gosto.
Parabéns.

Para o casal de novo:


CMC - Alguma coisa que eu não fiz pergunta, e vocês gostariam de compartilhar com todos os leitores do blog?

A Dama compartilha com as(os) leitoras(es) que não fazia ideia sobre castidade masculina, nunca tive praticas BDSM se quer conhecia, no começo achei estranho, mas fui pesquisar sobre o assunto. Quando conheci de fato a castidade me apaixonei pela prática, ele colocou o cinto e a adaptação foi maravilhosa, pois de cara já iniciou ficando preso por uma semana. Fiz um contrato, tudo consensual, e hoje acreditamos que a castidade é permanente, pois como relatamos a soltura é feita somente para minha necessidade ou para higiene. Tenho uma sensação de controle total e a sensação de posse é algo inexplicável.

Amo ver ele de calcinha, amooooooooooo, usa tamanco e salto, alguns fetiches. Olha só essa foto dele:
Foto real do escravo R. enviada pela Dama R.



CMC - Fica aqui os mais sinceros agradecimentos à Dama R. e ao seu escravo R. pela enorme colaboração com a divulgação da prática Castidade Masculina. E claro por se referirem ao Blog CMC com tanto carinho e estima.

Que o caso de vocês em conjunto com todos os outros casais que colaboraram com entrevistas e fotos sejam referência de tranquilidade e tesão para o início da prática de muitos outros casais que até gostariam de praticar, mas não tinham referências e exemplos como o de vocês.


Squal.

13 comentários:

  1. http://castidademasculinacontrolada.blogspot.com.br/p/entrevista-com-o-casal-r-r-de-porto.html?m=1

    Vivemos tudo isso é muito mais !
    Além de castidade faço meu submisso mulherzinha em casa
    Acompanhe nosso blog

    Adorei o casal !

    https://rainhadominacadela.blogspot.com.br/?m=1&zx=36b291fd52224ece

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poucos casais tem a ousadia e a coragem de expor suas fantasias como vocês fazem! Parabéns pelo blog!

      Excluir
  2. Wooooowwww Squal esza foi de mais!!! Agora creio que eu fique de vez em castidade rsrsrs... muito bom! Enviado a reportagem pra minha noiva ....
    Att icr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu ICR! Sempre acompanhando e comentando. Obriagdo! Boa sorte com a noiva!

      Excluir
  3. Sou de Porto Alegre tambem. E ainda, imfelizmente, nâo tive a oportunidade de praticar a CMC tenho muita curiosidade de experimentar/usar o cinto de castidade para saber como é essa sensação.
    Ficar longe, sem o poder das chaves.
    Como posso entrar em contato com o casal?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, eles ainda não autorizaram divulgar um email pra contato. Caso autorizem, eu divulgo um canal de contato com eles aqui no Blog.

      Excluir
  4. Muito boa a entrevista, Dona de mim e eu, temos o cb 6000s, mais não usamos muito devido ele não encaixar bem e ela ter pena, mais usamos como parte do castigo e futuramente teremos outro e ai que eu estou ferrado Kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Dc
      Tb sentia pena do meu escravo, com o tempo ela acostuma, satisfaça ela de outras formas, que não vai mais queres te soltar.

      Excluir
    2. É isso mesmo, Dc, logo as coisas se encaixam. O mais difícil você já tem: uma Deusa que descobriu a divindade que tem. O resto vem de carona.

      Excluir
  5. Adorei a matéria. CMC é meu blog preferido. Squal, matérias sensacionais. Parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Anderson! Feedbacks assim é o que me incentiva a prosseguir.

      Excluir
  6. Parabéns pela ótima matéria e felicidades ao casal. Enfim, homem em castidade, depilado e de calcinha é tudo de bom, não ?

    ResponderExcluir
  7. O CMC só melhora. Que história linda. O site do casal é maravilhoso, tudo que eu gostaria de viver no meu relacionamento eles fazem, parabéns. Gostaria de saber qual é o modelo do cinto da 1ª foto? eu tenho o CB6000s mas não consigo acostumar, sai facilmente

    ResponderExcluir

Fala Galera! Fiquem à vontade para comentarem, escrevam o que acharam da postagem! Os comentários anônimos estão liberados.