22 de julho de 2017

Por que a maioria das mulheres não quer ser dominadora?

Vamos dar uma pausa nas fantasias gostosas e dar um passeio pela realidade por um momento?

Alguns amigos leitores têm entrado em contato comigo me pedindo ajuda para saber como lidar com suas mulheres, namoradas, noivas, etc. no tocante a "Como Fazer com que Ela me Domine."


As principais queixas englobam: 

"Minha esposa não quer saber de fetiches."
"Minha noiva não quer dominar na cama."
"Minha namorada rejeitou a ideia de me deixar preso em um cinto de castidade."

etc.
etc.
etc.

Bem, o que eu, Squal, tenho a dizer a eles? Eu simplesmente pergunto:

 Onde está o foco da relação de vocês? em você, ou NELA?

Eu digo simples, mas é complexa a coisa. Deixe-me explicar. Normalmente, quando projetamos na mulher a pessoa que vai realizar aquilo que mais desejamos e fantasiamos como prazeroso para nós, estamos pensando em quem? Nela?

Por favor, cavalheiros, as fantasias são deliciosas, e uma das coisas que eu mais faço aqui no blog é alimentá-las. Fantasias não são ruins, muito pelo contrário. Mas quando se trata de realizá-las, não tem como ignorar a realidade. Sacou?

Dá uma lida lá no slogan do Blog CMC: "Primazia da mulher. E nisso consiste o prazer do homem". Vocês sabem no que isso se traduz? Olha quantos sinônimos a palavra PRIMAZIA POSSUI:

PRINCIPALIDADE; PRIORIDADE; PRIVILÉGIO; PRECEDÊNCIA; VANTAGEM; PREFERÊNCIA; PREPONDERÂNCIA; DESTAQUE; DOMÍNIO; SUPERIORIDADE.



Viram? Como podemos querer nos dizermos "submissos" se tudo o que queremos é que nossas companheiras se "convertam" a uma "religião nova" chamada "Dominação Erótica Feminina" para satisfazer os desejos mais íntimos que permeiam a nossa sexualidade. Como podemos querer considerá-la nossa "dominadora", se somos nós que insistimos incansavelmente até o ponto de quase obrigá-la ou até mesmo chantageá-la emocionalemente para que ela guarde a chave do nosso cinto de castidade, que nós (homens) compramos, nós instalamos, nós colocamos a chave na mão dela, e depois dizemos: "Agora eu estou controlado por você". Vamos parar de nos enganar. Dessa forma, o controle é nosso, fomos nós quem conduzimos nossa amada a fazer. Às vezes, por amor, por pena, por se cansar de tanto ouvir nossas insistências... mas no fim, não parte dela. Cada mulher é uma maravilhosa criação divina diferente. Existem mulheres com iniciativa, pegada, que quando querem um homem, o puxam pelo cabelo e o levam para a caverna? Exitem! E felizes são os raros que encontrarem esse tesouro.



Mas... Ela pode não querer essa responsabilidade. Ela não entende que isso para ela pode ser uma vantagem. Às vezes, ela não quer ter nenhuma vantagem. Já parou para pensar que ela pode ser mais submissa do que dominadora? Ou nem um pouco dominadora?

Um dos meus leitores me perguntou desesperado: 


Eu respeitosamente lhe respondi:

"Cara, se o sucesso da sua relação, a despeito de todo o amor e cuidado com que sua deusa te trata, depende exclusivamente de ela passar a querer e desejar te dominar sexualmente, conforme exatamente as cenas fetichiosas ocorrem no seu cenário mental, realmente posso afirmar que você não a merece. Deixe-a para um homem que esteja interessado na realização DELA."

Como eu disse, independente de qual seja a personalidade da mulher, ela foi feita para ser amada, respeitada, servida, amada, paparicada, romantizada, amada, priorizada, bajulada, elogiada e amada. Esqueci alguma? Ah, sim, esqueci de dizer... amada.

Depois que você colocá-la como foco da relação, e ela de fato se sentir dessa forma, naturalmente ela se voltará a você, como o verdadeiro cavalheiro, seu sustento, seu provedor, seu melhor amigo. E aí que entra a possibilidade de ela querer abrir os ouvidos ao que você tem de mais escondido dentro do seu âmago de desejo. Conquiste a confiança dela em seu amor. Com ações. Deixemos de ser babacas. Sejamos Don Juan's. E tudo de bom vem de carona depois. 

A maioria das mulheres vai receber a informação de que "nós gostamos de que ela tome as decisões e domine na cama", como mais um fardo para ela. Mais um peso para que ela se preocupe, somado aos vários problemas que administramos na vida. 

Se fizermos direito, sem pressão e exigências emocionais, ela vai se sentir tão amparada quanto a essas questões, que pode até se sentir leve para se interessar por um certo fetiche de nos dar umas varadinhas na bunda, ou de nos deixar babando de tesão devido a uma certa barreirinha de metal que engloba e restringe nossas ereções impuras e perversas, ou ainda se divertindo em provocar em nós as mesmas sensações que provocamos quando fazemos sexo anal com elas.... Quem sabe?



Agora, se ela é submissa e se sujeita a fazer tudo o que você gosta, ou seja, te inverte, te tranca, te bate, te pisa, etc. porque ela GOSTA de satisfazer as SUAS taras, parabéns, sejam muito felizes, você é um cara de muita sorte. Só não venha me dizer que o relacionamento de vocês é FEMDOM. Ser dominadora não se resume necessariamente por ser quem segura o chicote ou guarda a chave. Se define por quem está sendo atendido prioritariamente. Com primazia.

Recomendo que deem uma lida nessa matéria. A Mistress Queenie, do site Loving FLR, tem muito a nos ensinar. Boa sorte!

 http://lovingflr.com/arent-women-interested-leading-relationship/

Um comentário:

  1. Ótima suas palavra Squal, princialmente quando diz "Primazia da mulher, quem leu a nossa entrevista R&R, sabe muito bem que eu se quer sabia sobre castidade masculina, gostaria de compartilhar que a ideia é essa, comer pelas beiradas, no nosso relacionamento nada foi imposto, tudo natural.

    ResponderExcluir

Fala Galera! Fiquem à vontade para comentarem, escrevam o que acharam da postagem! Os comentários anônimos estão liberados.